25 abril, 2008

afoga-me e traz-me à tona, lúcida, rútila, aquática por Ticcia

Há em meu corpo calcinado o mapa de uma terra distante em que nem mil chuvas poderão fazer voltar a correr os rios que morreram ainda dentro dos teus olhos.


Tenho em mim areia e fogo pisoteados pelo tempo e em meus cabelos uma vaga que nasceu junto do mais antigo mar.


Não me olhe só com os olhos como se tuas mãos não fossem dignas do meu corpo.

Toma-me nos braços tal qual um imenso barco, navega-me oceano e vento, livra-me das pedras, naufraga-me e resgata-me, invade minha boca, enfeita-me de algas, açoita-me em tempestade e raios, estende-me em vela alva, afoga-me e traz-me à tona, lúcida, rútila, aquática.


Texto tirado do blog:


escrito por Ticcia

Que tem o Dom de muitas vezes falar EXATAMENTE o que sinto

Um comentário:

Kleiton* disse...

Te navergar é sempre um prazer, seja em noites de maré mansa, ou em plena tempestade, me afogar em seus laços e abraços, me faz velejar eternamente dentro de ti.

bjs Seu DONO