08 maio, 2009

é o fim do nosso amor...




Em tudo, na vida, me sinto um pouco desorientado, e por isso mesmo, não te posso dar a minha localização precisa. 
Mas acredito que é do fim do amor que te escrevo.
Escrevo-te para te dizer que te amei. 
Que talvez ainda te ame. 
Que talvez ainda passem meses, ou até anos, em que algo mude em mim sempre que me lembrar de ti.
Mas escrevo-te de um espaço novo.
De um espaço onde não estás. 
De um espaço onde és passado. 
Onde as coisas lentamente caem, direitas, nos locais devidos, porque o que aconteceu, aconteceu no passado.Hoje, sabes, os dias são diferentes. 
Pequenas mudanças. Não te sei explicar. Mas não espero por ti. 
Não espero por uma palavra tua. 
Antes, talvez ontem ou a semana passada, tudo eras tu, e cada segundo era passado a pensar em ti. 
Contei todas as vezes que não telefonaste. 
Todas as mensagens que não mandaste. 
Todos os emails que não escreveste. 
Todas os momentos em que, sob qualquer forma, não disseste que pensavas em mim e que ainda me amavas.
Agora, já não. 
Agora algo mudou. 
É por isso que te digo que te escrevo do fim do amor. 
Porque sei que partiste. 
Porque sei que eu próprio parti.
Era isto o que tu querias. 
Era este o primeiro passo na tua caminhada para essa tua nova vida, onde finalmente todas as coisas cairão no lugar certo, e onde não existirão seres dissonantes a perturbarem a harmonia dos teus dias.
O triste, sabes, é que durante anos não escaparás à sensação de que encontraste a pessoa. Durante anos poderás explicar a ti própria porque é que tomaste a decisão certa, e racionalmente aceitá-lo-às. 
E se a distância e o tempo te ajudarem, até poderá parecer que é algo mais do que racional, que foi intuitivo. 
Mas sabes, e não tenho prazer nenhum em dizer-te isto, vai haver um dia em que vais ouvir aquela música, ou um dia em que alguém te vai dizer uma frase parecida com as que eu te dizia, ou em que alguém te vai recordar que és Linda, e nesse dia, nesse momento, saberás, que apesar de tudo o que na tua vida possa correr bem, a decisão que tomaste foi um erro gigantesco. 
E, quase de certeza, um erro irrecuperável.
Digo-o com tristeza porque o mesmo me sucederá a mim. Porque durante muito tempo serás termo de comparação, e sabes bem como é difícil vencer-te. 
Nunca te menti. E quando te disse que eras Linda, que eras a mulher mais Fascinante que já havia conhecido, senti sempre cada uma das palavras. 
Eu só não tenho o peso da decisão do meu lado. Porque, apesar de todas as coisas, o que aconteceu foi o que tu decidiste e o que tu quiseste. 
No fim, é assim. 
Sabes que eu teria feito tudo de outra forma, e não te estaria a escrever do fim do Amor. 
Porque sempre acreditei no Amor. 
Acho que tu também. 
Apesar de gostares de dizer que o Amor não existe. 
Acredito nisso no dia em que o disseres, tirares a capa de forte e, ainda assim, não chorares. 
Até lá, não acredito. 
E tu sabes que se tirares essa capa, choras porque também tu me lês do fim do Amor. Desse mesmo amor em que não acreditas. 
Do amor que era impossível.Nada é impossível, sabes? E no amor, mais do que a felicidade, conta a paixão, porque é a paixão que renova a felicidade. 
Tu sabes isto. 
Fizeste de conta que não sabias para te ser mais fácil afastares-te de mim. E conseguiste. Estamos afastados. Longe. Sinto que escrevo para outro século quase. Acho que me lês de outro século. Não me sinto particularmente melhor por isso. Creio que o mesmo sucederá contigo. Uma espécie de apatia misturada com leveza, e com novos factos que vão preenchendo as horas, porque as horas é que custam a passar, não são os dias, ou sequer as semanas, e muito menos os meses e os anos.
Não sei, escrevo-te do fim do Amor para te dizer que me fez bem amar-te. 
Pelo menos, olho para mim e continuo a acreditar em tudo o que acreditava. 
Acredito no amor, sabes? 
Continuo a acreditar exactamente da mesma forma. Não tenho mágoa. 
Dor? 
Talvez. 
Mas a vida é a vida, é um percurso. 
E isto, sei-o, tem uma qualquer lógica existencial que compreenderei no futuro. Porque no fim de contas, eu prossigo a minha vida sem ter traído o amor. 
Não estou a dizer que o traíste. 
Não. 
Não o fizeste. 
Não seria justo da minha parte dizer-te isso.Mas eu acreditei mais. Eu acredito mais. Eu sempre acreditei mais. 
No fim, meu amor, eu era mais intenso do que tu.
A nossa história começou por algo assim, quem era mais intenso? 
Era eu. 
No mau e no bom. 
Mas era eu.
Amo a tua intensidade. 
Amo-a mais do que tu própria a amas. 
Um dia compreenderás que nós acabamos, apenas e só, por esta frase ser completamente verdadeira.


Damaste. Para sempre, Damaste. "



11 comentários:

Cris Michelon disse...

Denise, obrigada por visitar meu blog...
Adorei o teu espaço, vou vir sempre
bjs

AC Rangel disse...

Denise
Amei teu blog, amei tua visita. Te quero sempre lá. Estarei sempre aqui. Quero estar junto de vc.
Beijo

Denise disse...

Cris,a reciproca é verdadeira.

Amei estar por lá.

Muito grata

Denise

Denise disse...

Rangel

Nos visitaremos e trocaremos energia de sentires.

grata querido.
Fique com meu carinho

Denise

Danielle Macena disse...

Gostei muito desse seu post...
bjuu

Anônimo disse...

Dê o Junior é uma simpatia.
Elegante,gentilissimo e te trata com tanto cuidado e carinho.
Adorei, mesmo que muito rapidamente estar com vocês.
"Cris"

Denise disse...

Danielle

Grata pela visita e pelas palavras.

beijo

Denise

Denise disse...

Cris,aproveitei e matei dois coelhos,como estavamos pertinho de você matei a saudades (sobrou ainda muita) e te apresentei o Junior.

beijocas

De

Edu disse...

Gostei muito deste, obrigado por teres partilhado com os teus leitores.
bjus

Denise disse...

Muitos beijos Edu.

Coisas assim de tanta sensibilidade e beleza não passa sem que eu veja e queira colocar aqui.

beijo

Denise

Sonhos e Devaneios disse...

Denise...faz dias que estou a te ler....e cada pedaço que leio de voce mas me vejo decodificado...mas agora.......agora lendo esta mensagem..."é o fim do nosso amor" eu me vi completamente decifrado....fiquei completamente estatico estas palavras sao as palavras que eu estou vivendo e que me faltavam.....nao vou publicar nao.....nao vou sequer mandar para esta mulher .....vou simplesmente mandar para mim e terminar comigo aquilo que eu vivi e que me deixou assim...assim como estas letrinhas.......que maravilha poder encontrar um lugar assim tao cheio de sentimentos...
um beijo e um abraço bem apertado
joao