29 novembro, 2008

Colorindo


Tenho encontrado um prazer enorme em fazer coisas conhecidas,
até porque no meio do caminho, sempre acontece algo novo.

Coisas rotineiras podem e devem ser surpreendentes – por isso, maravilhosos e excepcionais.

A ansiedade pelo novo, nessa busca desesperada pelo diferente, muitas vezes faz
com que deixemos de curtir as delicias das coisas conhecidas e perceber quanto
de especial existem nelas.

Quer coisa mais gostosa que observar a bagunça de uma
criança que começa a andar?


Trocar-se para uma aula de dança que
acreditava repetir-se e de repente um maluco resolver que aquele dia ia te
ensinar a cair?

Então da mesma forma que pássaros saem do ninho em busca de
aventuras, mas constroem um quando querem se proteger, a rotina, aquela rotina
gostosa do reconhecimento das coisas conhecidas, tem me feito um bem enorme.

As rotinas existem para fazer brilhar as surpresas. Sou defensora da rotina, da
vida simples que nos conduz à sabedoria.

Aliás, a simplicidade da vida tem me
feito amante da rotina, porque estou tendo a chance de observar mais para
aprender sempre, chance de me reaproximar de pessoas por tempos esquecidas,fazer coisas que havia deixado de fazer .

A felicidade é aprender a ver cor no cotidiano e nas
coisas que as vezes um olhar pessimista faz ser banal .


Por isso vivo de aquarela na mão

colorindo tudo

inclusive eu .



Denise

4 comentários:

Maria disse...

Não sei se sei o que pode ser chamado de rotina, minha vida é tão caótica que a rotina é a de não a ter...

Mas entendo perfeitamente quando diz que é das coisas simples que brotam as maravilhas que nos surpreendem. Os primeiros passos de uma criança, os primeiros momentos de uma linda história de amor, são gemas preciosas na armadura com que protegemos nossas vidas, cada uma com sua cor e seu brilho próprios.

Que coisa boa é viver cada dia como se fosse o último...!

básica disse...

pqp Li..

é impressionante o tanto que a gente tem de haver uma com a outra... eu estou justamente nesta fase de não querer abster-me de sonhar, mas querer muito aprender a ser feliz valorizando as coisas simples... eta exercício difícil este...
beijocasssss

rose disse...

Sempre te lendo, sempre te vendo, sempre aprendendo.

Bjos!

AD_{Claudia} disse...

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...

Corro o lápis em torno
Da mão e me dou uma luva
E se faço chover
Com dois riscos
Tenho um guarda-chuva...

Se um pinguinho de tinta
Cai num pedacinho
Azul do papel
Num instante imagino
Uma linda gaivota
A voar no céu...

Vai voando
Contornando a imensa
Curva Norte e Sul
Vou com ela
Viajando Havaí
Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela
Branco navegando
É tanto céu e mar
Num beijo azul...

Entre as nuvens
Vem surgindo um lindo
Avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar...

Basta imaginar e ele está
Partindo, sereno e lindo
Se a gente quiser
Ele vai pousar...

Numa folha qualquer
Eu desenho um navio
De partida
Com alguns bons amigos
Bebendo de bem com a vida...

De uma América a outra
Eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo...

Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente
O futuro está...

E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida
A rir ou chorar...

Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
(Que descolorirá!)
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo
(Que descolorirá!)
Giro um simples compasso
Num círculo eu faço
O mundo
(Que descolorirá!)...

Precisa dizer mais alguma coisa? Bjs